Páginas

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Alimentação na escola

Este é um post que ando matutando já tem um tempo. E depois da Blogagem Coletiva acho que chegou a hora. 
Na escola do Guilherme as crianças do jardim, até a turma 3, frequentam as aulas apenas pela manhã. A única refeição feita na escola é a merenda que pode vir de casa ou os pais aderem a "merienda compartida" e pagam uma taxa mensal para que a criança receba a comida na escola. Em geral são biscoitos, tortitas (pão), alfajores de maizena, sanduiches, iogurte. A bebida suco (tang) ou chá (mate cozido) é liberada para todas as crianças. Guilherme levava a comida de casa, as vezes eu mandava algo similar ao que era servido na merenda compartilhada, mas em geral eram cereais ou barrinhas, fruta e iogurte.
Na turma 4 as crianças podem ou não estudar em período integral, na turma 5 o estudo integral é obrigatório. A política para o almoço é a mesma os pais podem buscar os filhos na escola para almoçar em casa (o intervalo é de uma hora), mandar uma quentinha de casa (paga-se uma taxa pelo uso do refeitório) ou então contratar a comida do refeitório, o pagamento é mensal, se a criança falta o dinheiro é devolvido (!). Inicialmente, a nossa opção era mandar a comida de casa, mas com a chegada do bebê, as mudanças e as incertezas para nós a decisão tentar para ver como Guilherme aceitaria a comida da escola foi a melhor.
Todos os meses recebemos o cardápio para aquele mês. O desta semana é o seguinte:

Segunda - Almondegas ao molho (sugo) e arroz
Terça - Frango assado com guarnição (eles não informam qual, mas não é raro que seja batata frita)
Quarta - FERIADO
Quinta - Espaguete com molho misto 
Sexta - Pizza de presunto, cebola, ovo ou salame e empanadas.

Além disso, tem uma mesa com saladas (frias e quentes), guarnições variadas e uma alternativa ao prato principal. Por um pedido meu, Guilherme é das poucas crianças que vai até a mesa olhar as opções. Para a maioria das crianças a professora diz o que tem e as crianças dizem o que querem. No preço está incluído a água e uma sobremesa (fruta ou gelatina). As sextas o menu é sempre "festivo" e a sobremesa é um picolé. Na páscoa as crianças ganharam ovos de chocolate.
O restaurante está aberto aos pais, não é preciso avisar quando se vai comer por lá. Mas ... o barulho faz qualquer praça de alimentação parecer um hospital e por isso quase não tenho ido. Não vou comentar o cardápio em si, por que a verdade é que ele reflete bem o que se come aqui. O preparo não é como eu faria, mas a comida tem pouco sal e não é gordurosa (fora a milanesa e as batatas fritas). O que me incomoda é:
- o cardápio é alterado sem aviso e o Guilherme nem sempre diz o que comeu, as vezes inventa e os coleguinhas fazem o mesmo;
- vendem balas e outras porcarias no refeitório, além de refri. Guilherme nem vê e como não leva dinheiro não tem como comprar, mas é errado!;
- as crianças não fazem o próprio prato e por vezes nem veem as opções disponíveis (sei o caos que seria, mas há alternativas); e
- não recebemos um relatório do que a criança comeu (acho que isso que até a criança ter 6-7 anos é uma boa medida)

O que irritou tanto os pais da primária? Logo no começo do ano fizeram alterações no cardápio por opção menos saudáveis e mais econômicas. No começo as mães acharam que era coisa das crianças, mas conversando entre si viram que a coisa era séria, além do mais o número de crianças no refeitório aumentou (juntaram as duas sedes temporariamente) e não existia organização. Depois de feita a reclamação, a coisa voltou ao normal. As alterações ainda são feitas, mas por equivalentes e não por salsicha ou nuggets industrializados. Também melhoraram o espaço e a organização. Das vezes que fui por lá para conferir, não usam produtos industrializados que não sejam os que eu uso em casa (sim, em normalmente não faço eu mesma o molho de tomate e em casa comemos cachorro quente), não usam temperos e caldos (pó, cubo etc.), frutas e verduras são frescas, quando muito congeladas. A cozinha é limpa, mas limpa que a de muito restaurante que eu já visitei. Os pais tem livre acesso e são tratados como clientes, ninguém faz favor a ninguém.

O fato do Guilherme ter se adaptado a comida me deixa tranquila. No começo ele deu trabalho, mas quando viu que era pra valer, foi em frente. Tem comido mais variado em casa e fica sentado a mesa sem problemas, antes era um tal de "volta pra mesa!" o tempo todo. Seguindo a lógica local, o jantar aqui em casa passou por mudanças e é um complemento do almoço.

Semana passada, cansado de jogar fora comida, aderimos a "merienda compartida", Guilherme parou de comer o lanche que eu mandava de casa, mesmo quando era similar ao oferecido pela escola. Muitas vezes ele trocava o lanche para comer o lanche da escola. Ele não era o único a levar a merenda de casa, na verdade a maioria leva, mas ele queria mesmo era a comida que a professora "dava" para os colegas.




2 comentários:

Carine disse...

Sofre com a cantina, minha menina nao come carne e acaba comendo porque tem no prato e todo mundo come. Pela menos uma coisa positiva aconteceu este ultimo ano, foi colocar um dia 'comida organica' no cardapio. Mas tb adoraria fazer uma marmita para eles e nao posso. Ano que vem terao que ir mais vezes na cantina, ai ai ai, sera que vou aguentar?!
Beijao
Carine

Paloma, a mãe disse...

Este é um assunto que me preeocupa muito quando a Ciuça tiver que almoçar na escola. Tão difícil achar uma com menu realmente balanceado e nutritivo, né? A escola antiga da Ciça tinha e este foi o principal motivo da minha escolha. Este ano, ela só lancha na escola, mas, quando voltar a alomoçar, sei que vai ser difícil (para mim).
Beijos