Páginas

domingo, 6 de novembro de 2011

Memorias



Quando Guilherme ainda era um pinguinho de gente, assim que nem o Felipe é agora, ele era ninando ao som da trilha sonora do George, o curioso. Desde então ouvir a musica era voltar no tempo e entrar em nosso apartamento em Brasília e tê-lo nos braços. Como nós, os pais, gostamos da música, a trilha sonora voltou a baila na hora de fazer um outro pinguinho de gente dormir, aos poucos, as lembranças se misturam e embalo os dois ao mesmo tempo (o que as vezes não é nada metafórico, já que o Guilherme sempre que pode senta no meu colo enquanto embalo o Felipe na cadeira de balanço).

Mas a música que me deixa de olhos marejados e me manda de volta a minha infância é esta daqui:



Não, eu não ouvia essa música, mas passei várias noites tal qual a música descreve.

O fim de semana foi bom :)

3 comentários:

Paloma, a mãe disse...

Ninar um bebê pititico sempre me deixa com olhos marejados, seja com que música for. É tão intenso isso, né? O ato em si.
Beijos

Sandra Hellen Kautto disse...

Eu sempre gostei de ninar o Elias cantando Reconhecimento da Isadora Canto....chorei tantas vezes com ele no colo de tanto amor que sentia ao tê-lo ali pequenininho no meu colo!

Beijos pra vocês!!!

Neda disse...

@ paloma
Eu adoro ninar, os piticos é uma delicia. Mas quando o Guilherme dorme no meu colo, já grandão, também é bom...

@ sandra
Tem uma série de musicas que eu censurei aqui em casa, vão de "o filho que eu quero ter" a "fico assim sem você", é lágrima na certa.

Bjs