Páginas

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Blogagem coletiva: Quem cuida dos nossos filhos - Argentina (Mendoza)


Já comentei antes que aqui não é raro as famílias terem quatro ou cinco filhos, principalmente as de maior poder econômico. A classe média se limita a dois, algumas pessoas (poucas) tem apenas um filho. Os mais pobres em geral tem entre dois e três filhos. Isso aqui em Mendoza. É grande o número de mães que deixa de trabalhar pouco antes da chegada do segundo filho e só voltam a trabalhar quando o caçula tem uns 5 - 6 anos. Mas não faltam opções para quem não tem como quem deixar os filhos na hora de trabalhar ou quando simplesmente precisa de um tempinho livre durante o dia.
A cidade está povoada de "jardins maternales" que aceita os pequenos a partir dos 45 dias (a licença maternidade aqui é curtinha e é mais ou menos nessa época que a maioria das mães volta a trabalhar) até os 5 anos. Os jardins funcionam em período integral, a maioria funciona até as 20h, horário em que a maioria dos pais sai do trabalho (aqui tem uma pausa no meio do dia para a siesta).
As escolas particulares apresentam opções variadas. Algumas aceitam crianças a partir de 3 anos, por meio periodo (que pode ser manhã ou tarde) como era no tempo em que eu ia a escola. E aos pais cabe encontrar quem vai cuidar dos pequenos no outro turno. As escola que oferecem educação em período integral em sua maioria aceitam crianças a partir dos 3 -4 anos, mas algumas, como é  o caso da nossa, aceita a partir de 1 ano, mas o período integral só está disponível a partir dos 4 anos. E ai?
Bom, entre as minhas amigas aqui há todo tipo de arranjo quando os filhos vão para um jardim escola e não um jardim maternal. Algumas mães trabalham meio período e com isso resolvem o problema, outras tem uma babá que cuida das crianças, tem quem deixe as crianças com a empregada, algumas deixam com os avós, outras deixam com amigos ou pais de amigos. Uma amiga, que trabalha em casa, colocou a filha para estudar a tarde, como a menina dorme até tarde, ela trabalha numa boa boa parte da manhã, depois dá o almoço, leva a filha para a escola e faz a parte externa do trabalho e tudo mais que precisa ser feito e fica mais fácil sem crianças por perto.
Aqui em casa, quando precisamos fazer algo fora do horário de escola do Guilherme temos uma babysitter, uma das pessoas favoritas do filho aqui. Temos até que ter cuidado quando falamos o nome dela por que se ela não pode vir a frustração dele é muito grande.
 Para saber como é em outros países basta clicar aqui.
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            

7 comentários:

Celi disse...

Neda,
Adorei saber da flexibilidade dos horários na escola e possibilidade de ter alguém para ajudar.
Beijos

Carol disse...

Que legal Neda!
É bem diferente das coisas por aqui na Europa e por isso tão interessante saber. São tantos jeitos diferentes de escola e maternal, mas no fim todo mundo acaba achando a melhor opção... No fim quem faz mesmo a diferença na vida deles, somos nós, não é mesmo? :)
Beijinhos!

Ann disse...

Oi Neda,
Voces tem bastantes opcoes por ai, o que e bom...mas, trabalhar ate as 20h, nossa e tao tarde para ir para casa e por as criancas na cama, ou quem faz isso e a baba? Fiquei curiosa rs..
Boa sorte com o bebe...vc sabe o sexo?
xx

Neda disse...

Celi - não é bem que haja flexibilidade, mas no jardim há vários opções disponíveis. As babás não são nem de longe como no Brasil, mesmo quem eu sei que tem não leva junto a não ser quando é necessário mesmo.

Carol - é verdade! Ter uma "estrutura de apoio" é tão diferente de delegar os cuidados com as crianças. Aqui tem um pouco de tudo, o que eu noto em geral é menos culpa por parte das mães.

Ann - 90% das pessoas aqui tem a jornada de trabalho interrompida entre 13:00 -> 17:00 para a "siesta", por isso a saída é mais tarde que na maioria dos lugares. Mas sim, as crianças aqui dormem mais tarde do que a gente está acostumado no Brasil, mesmo uma grande parcela não dormindo de tarde.

Carine disse...

Nao imagina horarios tao diversos. E horario de siesta tao grande? Aqui as escolinhas colocam as crianças de 3 e 4 anos para dormir, mas infelizmente elas nao podem dormim o tanto que querem, muitas precisam ser acordadas as 16h para voltar para casa as 16h30. Sempre pego meu pequeno principe meio dormindo as 16h30. Sou "obrigada" deixa-lo na escolinha, é so la que ele dorme. Em casa tem muita coisa para fazer rs.
beijao

Clarinha disse...

Nossa, só 45 dias de licença? Que horror! E o povo ainda sai às 20h do trabalho? Ave Maria! Realmente, fica tarde para colocar as crianças para dormir. Por outro lado, tem até bastante opção de escola, né?

Neda disse...

Carine, No verão eu até entendo a siesta tão longa, é o horário de maior calor, não dá pra sair de casa, mas no inverno ... com o tempo a gente acostuma. Na idade do G. muito nem dormem siesta, mas na escola eles tem um momento de descanso depois do almoço.

Clarinha, na verdade a licença é de 90 dias. Por lei, as mães tem que deixar o trabalho 30 dias antes da data prevista do parto (a maioria consegue, com ajuda do OB, sair faltando 15 dias). Quem quiser pode sair antes 45 dias e voltar com 45 dias, por isso que tem creche que aceita os pequenos com 45 dias de vida. No verão, as crianças vão dormir ainda mais tarde, em parte por conta da luz, em parte por que estão de férias.