Páginas

quinta-feira, 7 de abril de 2011

O nervo "asiático" e outras coisas.

Ontem foi dia de consulta com o obstetra, e cada dia João e eu gostamos mais dele. João por que ele sabe lidar bem com as minhas ansiedades, eu porque acho admirável que os olhos de uma pessoa com mais de 40 anos de experiência ainda brilhem ao ver uma grávida, ao ouvir o coração do bebê ou ao dizer que no parto o médico é mero espectador de um milagre. Uma coisa que nos, os dois, gostamos muito é a postura nada invasiva das consultas e a quantidade minima de exames. 
Como Guilherme nos acompanhou a consulta, a conversa foi um pouco mais variada. E assim, descobrimos que o doutor é filho de uma parteira  e que mesmo vendo uma enorme abundância de gestantes e nunca ter visto uma cegonha, acreditava que elas eram as responsáveis pela vinda dos bebês ao mundo até os 10 anos.
O bebê mexe MUITO e deu trabalho ouvir o coração ontem, Guilherme curtiu a caçada e depois pode ouvir o seu coração no aparelinho também. Ajudou o médico a medir a minha pressão e a auscultar meu coração.
Comentei com o médico que tem uns dias que sempre que piso no chão com a perna direita doí a ponto de eu ter que sentar de novo se não caio e que era justamente o lugar da dor que mais me incomodou durante o TP. E, vejam só, eu tenho nervo ciático, ou melhor ciática. Recomendações: não dobrar a coluna e caminhar, além da Yoga, mas depois falo dela. Veio a constatação do que eu já havia percebido: na segunda gestação, sentimos muitas coisas. Estamos mais velhos e já temos um filho.
Resumo:
Estou na semana 20 pela DUM
Ganhei dois quilos até agora, nada mal. 
A pressão continua baixa, mas normal.
Em duas semanas faço um US.
Em quatro faço a glicemia pos-prandial.

************
Segunda veio a parteira para a nossa conversa inicial. Ela é um doce! E será ela que me acompanhará quando entrar em trabalho de parto até irmos a maternidade, será minha doula.
Explicou extamente todos os procedimentos no hospital para o parto, desde a admissão até as intervenções de rotina com o RN. Aqui, se tudo correr bem, ficamos "só" dois dias no hospital, as vezes um dia e meio. Falou das dificuldades que vamos em frentar e recomendou o Plano de Parto, que aqui tem valor legal, mas tem que antes ser aprovado pela diretoria do hospital escolhido e de algumas coisas simplesmente não abrem mão, como a vitamina K e o nitrato de prata. Outras ela acha que podem ser negociadas.

*************
O outono vai dando as caras aos poucos, mas assim como a turma no hemisfério norte tem primavera com frio, aqui tem outono com calor, mas só numa parte da tarde. Quem mora aqui tem sempre um casaquinho por perto.

*************
Guilherme está super adaptado ao novo horário escolar e a comida da escola (vou falar sobre isso em breve). Estamos aprendendo as músicas em inglês para cantarmos com ele. Nas nossas conversas e brincadeiras agora ele diz qual o idioma que usar. Agora português! En español! e as músicas sempre em inglês. Em breve teremos playdate aqui em casa.


10 comentários:

Houser disse...

Afinal, Neda querida: Menino ou menina?

Neda disse...

Cris, ainda não sabemos. Faltam duas semanas para o ultrassom.

Lia disse...

"Ganhei dois quilos até agora, nada mal."
Parabéns, menina! Eu já ganhei 6kg, abafa o caso. E estou com 17 e meia...

Juliana disse...

Parabéns, Neda! O bebzinho nadando entusiasticamente na barriga, rsrs! Estou adorando a história da doula. Você conhece a Adriana Tanese Nogueira? Uma das que começou com parto humanizado no Brasil. A escola do Gui é como a Escola das Nações aqui? Eles falam inglês lá também?

Neda disse...

Lia, obrigada!
Eu tento contralar o que como, não só a qualidade como a quantidade também. Comecei esta jornada com alguns quilos a mais e um histórico de diabetes gestacional. Fora que 34 não são 29, a idade pesa nessa hora, tenho plena noção disso.

Juju, sei quem é a Adriana Nogueira, conheço o Amigas do Parto. Mas admito que nem o livro dela eu li, tampouco está na minha lista de leitura até o momento. Você a conhece?
A escola do Guilherme é bilingue, de manhã espanhol e de tarde inglês.

Carol disse...

nossa, adorei o médico, adorei a parteira! Sabe, eu estou um pouco decepcionada com a coisa da parteira aqui por Buenos (de repente é só o meu caso, mas desconfio que não): liguei pra minha pra conhecê-la, já às 31 semanas e ela foi meio fria, me falou como é a coisa do curso pré-parto e eu ainda descobri que tenho que pagar por ela fora do plano, puxa! Fora isso, ainda me falaram que ela encontra comigo direto no hospital no dia do parto, olha que saco.

Vou confirmar tudo com ela na semana que vem, quando começo o tal curso, mas fiquei tristinha que talvez o caminho pro meu parto natural seja mais chatinho do que eu pensava... será que preciso fazer plano de parto por aqui tb?

Mas bem, fico feliz de vc estar com uma equipe tão legal!

beijão!
(e brigada pelo apoio lá no blog, viu?!)

Neda disse...

Carol,
Infelizmente, a parteira que deverá me atender no parto propriamente será a de plantão. Mas vou me sentir bem mais tranquila em casa, durante o TP, acompanhada por um parteira que vai nos ajudar até a hora de ir pro hospital.
Bjs

Clarinha disse...

Neda, que legal! Vc está esperando mais um! Maravilha.
Seu médico pareceu muito sensível. Que ótimo. Poucas intervenções é o melhor também na minha opinião! Menina, eu também tinha muiuuita dor, mas era nos dois lados! Só atacou mesmo no finalzinho da gravidez. Eu sentia umas fisgadas e dava umas tremidas, como se fosse um reflexo. A minha médica nem deu bola...
Beijocas!

Juliana disse...

Neda, frequento o blog dela: http://www.psicologiadialetica.com/
Beijos!

Neda disse...

Juju
Muito legal o blog dela, já está separado para que eu leia mais atentamente. Tem coisas bem interessantes.
Obrigada!
Bjs