Páginas

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Meu filho não come, será?

Desde pequeno, Guilherme sempre comeu de tudo, mas não posso dizer que come muito. Há dias em que devora um prato como o meu, em outros, só cutuca a comida e na maioria dos dias come uma porção compatível com o tamanho dele.
Aqui em casa, ele não é obrigado a comer, nunca empurrei comida goela abaixo, mas durante algum tempo eu conversava, insisia um pouco, João também. O resultado era uma refeição estressante para todos. Então, passamos a não nos importar afinal, em casa com comida ninguém morre de fome.
Com o tempo ficamos (João e eu) mais disciplinados. No começo nos limitavamos a não substituir a refeição por algo que sabiamos que ele comeria e, claro, mantinhamos os horários. Então se ele ficava com fome tinha que esperar. Depois que aprendeu isso, a regra ficou mais rigorosa: se ele não almoça (leia-se: não toca a comida, ou se limita a uma, duas colheradas), na hora do lanche ele reencontra o prato do almoço. Sempre lembramos ele que isso vai acontecer caso ele não coma, muitas vezes antes que termine o nosso almoço ele muda de idéia e pede a comida. Não, ele não precisa raspar o prato, basta comer até ele ficar satisfeito. Tampouco precisa ficar sentado até todos terminarem (se minha avó lesse isso!), mas precisa pedir licença.
Acredito muito no que diz o pediatra espanhol Carlos González no livro "Mi niño no me come", a criança nasce sabendo controlar muito bem a quantidade de comida necessária e é importante não "reprogramar" os pequenos. Se, quando ele era bebê eu parava de amamentar quando ele não queria mais, por que agora eu iria impor a ele uma quantidade de comida que eu acho adequada.
Guilherme cresce bem e se desenvolve de acordo com a idade dele, nem mais, nem menos. Hoje, ele já diz que não gosta de algo que ele nunca provou, mas aos poucos ele vai provando. Adora frutas e come bem legumes, mas torce o nariz para tudo o que é verde, mesmo vendo os pais comerem salada verde todos os dias. Não gosta de balas e pirulitos (chupa-chupa por aqui), mas não pode ver um chocolate. Gosta de refrigerante, principalmente Fanta, mas troca fácil-fácil por um suco de manga ou laranja. Prefere peixe a carne, mas não resiste a uma linguiça. O feijão preto é sua grande paixão, juntamente com a pizza e o "nicau". Desses, só o nescau ele tem todos os dias, que eu também não sou doida, os outros é não é sempre, principalmente a pizza, essa acho que ele come duas vezes por mês, que além de não ser exatamente uma opção saudável, banaliza.
Aqui em casa é muito raro termos bolachas, recheadas ou não, e guloseimas em geral, mas isso é por que se tiver EU como. Quando faço bolos, fica um pouco aqui em casa e o restante vai sendo distribuido entre os amigos e colegas de trabalho do João. Para não estragar e para não ficar aqui me tentando.
Essa rotina é a ideal? Para a gente tem se mostrado muito boa e Guilherme assimilou bem. Eu faço o que ele pede pra comer, nem sempre, mas eu penso nele na hora de preparar a comida e nos dias de polvo, lula e outras coisas mais exoticas, tenho sempre um opção para ele caso ele não goste, que também é injusto obrigar a comer algo que ele não gosta. O prato dele sempre tem salada, mesmo ele não comendo, um dia ele come. Aqui a sobremesa não é premio, nunca digo se não almoçar não tem sobremesa. Se tem sobremesa, mesmo ele não comendo ela é oferecida, afinal não é algo que temos todos os dias, somente em dias especiais, e dias especiais são mesmo pra fugir da regra.
Falando em fugir da regra, quando estamos viajando (o que acontece com alguma frequencia) ou por algum motivo a rotina em casa mesmo foi alterada, João viaja por exemplo, somos flexiveis. Não vai ser justamente a comida que me fará terminar o dia estressada.

2 comentários:

Nutrição e Cia disse...

Esse negócio de comer e não comer é o assunto de todas as mãe quando chega a seletividade da criança. Lá no meu blog fala mais sobre ela e orienta horários entre outras coisas. As vz aqui em casa minha linda não quer nem provar a comida, ai espero mais um pouco. As vezes o horário do almoço dela não é o meu horário de almoço. E quando ela ta intupida "não fez cocô" sabe! Também não come direito até esvaziar o tanque heheh!

Mariana - viciados em colo disse...

Excelente! Adorei!
Por aqui é assim também: comia de tudo e com uns dois anos começou a escolher - escolhas mínimas... Acho que só agora está acabando a pior fase: já aceita provar uns legumes ou outras comidas diferentes...
Devagar e sempre!
Abraços