Páginas

domingo, 22 de agosto de 2010

Diário de uma Mudança - A despedida

Certa vez, uma pessoa me perguntou se a vinda a Cabo Verde havia valido a pena . O que mais me chocou foi que essa pessoa não se mostrou satisfeita ante a resposta afirmativa. O "valer a pena" para mim, é antes de mais nada relativo e está relacionado com os objetivos que se tem quando se toma uma decisão, o que se espera da experiência. Podem ser objetivos praticos ou não. Também depende muito da pessoa, da sua flexibilidade, resiliência e espirito aventurero. Cabo Verde vale a pena, mas não é para qualquer um. Para mim, foi uma jornada de autoconhecimento e de reavaliação do que realmente é importante. Aqui, finalmente, aprendi a deixar pra lá. O que não combina comigo deixei pra lá; idéias, pessoas, lembranças, objetos ...
Para mim, as pessoas é que fazem o lugar. O melhor lugar do mundo, pode virar um inferno se você não conhecer as pessoas certas pra você, aquelas que vão te ajudar na jornada. Algumas dessas pessoas têm um papel bem pratico, vão te explicando como funciona o lugar, a burocracia para abrir uma conta no banco, pedir linha de telefone, as vezes ajudar com o idioma, levar para conhecer escolas, normalmente, são expatriados como você, que já passaram por isso e sabem o importante que é ter uma ajuda assim. Outras pessoas vão abrir suas casas, apresentar a cultura e os costumes locais, vão te ajudar quando você precisar entender por que as coisas são como são. Ao final, nem todas essas pessoas serão seus amigos, mas ainda assim são pessoas importantes e sem as quais nada teria sido igual.
Em Cabo Verde, tivemos uma experiência riquissima, fizemos amigos maravilhosos, que não vejo a hora de reencontrar. A vida que tive na Cidade da Praia não seria possível em nenhum outro lugar, as coisas boas e as ruins também. Me sentia em casa, reclamava (acho que sempre vou me queixar de certaz coisas) por que esta é a minha natureza e por que não estou pronta para romper o meu paradigma da imperfeição, adoro o imperfeito e as possibilidades que ele apresenta.
Minha  amiga  Sofia sugeriu que, para amenizar a saudade, eu fizesse uma lista das coisas das quais não vou sentir saudade. Bom, vamos lá:
-  cortes de água e luz; e
-  ter que passar por pelo menos três lugares para fazer as compras da casa e ainda assim não encontrar tudo.
Mas foram somente essas duas coisas que eu posso dizer que não farão falta.

5 comentários:

Clarissa disse...

Ainda bem que CV fica só a três horas e meia de Fortaleza!!! Pelo menos na teoria...
E ainda bem que vcs volta e meia estão em Fortaleza ;o)

Paloma, a mãe disse...

Sobre isso de encontrar as pessoas que nos ajudarão nas jornadas, eu queria dizer (reiterar, na verdade) que vc foi muito importante na minha jornada de mudança para Brasília. Não só vc me deu dicas importantíssimas, como seus emails serviram para aplacar minhas ansiedade e insegurança em relação à nova cidade. E agora, lendo isso aqui, vou "aprendendo" um pouco como é mudar de país com criança pequena na bagagem.
Beijos e boa sorte na nova jornada!

http://abebedorespgondufo.blogs.sapo.pt/ disse...

Gostei do blog.

Sofia Fonseca disse...

deixaram tantas saudades... :(
posts da chegada?? Gui e os vovós??

beijinhos

Raquel disse...

saudades!
Sempre pensei que não iria sentir muitas saudades de quando saisse de Cabo Verde e a verdade é que sinto, claro que pelos amigos óptimos que fizemos.

AE voc~es como estão? Saudades vossas. Eu não tenho tido acesso ao computador por problemas informaticos. Espero que esteja tudo bem e um grande beijo a todos.