Páginas

segunda-feira, 30 de março de 2009

Conhecendo Cabo Verde

Assim que me falaram da ilha do Fogo eu fiquei louca para ir. Já pensou ficar em uma pousada dentro da cratera de um vulcão? Do lado de outro que entrou em erupção há menos de 15 anos? No mesmo dia caminhar num deserto de lava e visitar uma floresta? Passear por videiras, pés de romã, figueiras, maçã, marmelo? Também ver cabras criadas em curral por que senão comem as plantas? Ao fim do dia tomar um banho de água gelada? (Essa parte eu não curti muito não, até porque esta um friiiiiiiiiio) E a comida .... ah! a comida! Gente o que foi aquilo!

A ilha não se parece com nada já visto, não tenho como comparar. Os amigos com quem fomos tampouco souberam colocar adjetivos, ímpar com certeza! Para nós foi a primeira vez que saímos de Santiago, para os demais não e segundo eles não há nada que se compare em Cabo Verde. A capital, São Felipe, poderia ser uma cidade no interior de Minas, só que com mar, o casario relativamente bem conservado, cheio de praças, muito verde, limpa. O céu estrelado, que céu, não lembro de jamais ter visto céu tão bonito.

O caminho de São Felipe até Chã da Caldeira leva quase uma hora para percorrer montanha acima, paredão de um lado abismo do outro. O lugar é alto, mais de 2.500 metros acima do nível do mar, assim cruzamos as nuvens. Chã da Caldeira fica dentro da cratera de um vulcão, a bordeira é impressionante! Esse vulcão maior está inativo, mas dentro dele tem um vulcão ativo. Para quem gosta de caminhadas, trilhas, escaladas o fogo é o lugar. A pousada em que ficamos se chama Pedra Brabo, é de um francês que há uns 17 anos foi para lá e montou o lugar. Rústico é o melhor define o local. São 12 quartos MUITO SIMPLES, banheiro coletivo SEM água quente, e o lugar fica sem energia as 9 da noite (gerardor). Mas vale a pena! Todas as refeições são M A R A V I L H O S A S, não há como por reparo em nada. No centro de turismo nos apresentaram várias opções de passeios, o mais breve de duas horas, o mais longo de dois dias! Nós optamos por um passeio de 4 horas, mas olha fiquei tentada a subir o vulcão ativo e a subir a bordeira e fazer a caminhada de dois dias, com pernoite na caverna. Não tem como passear pelo vulcão ficando para dormir em São Felipe, pelo menos uma noite tem que ser lá. O Guilherme, que já viajou resfriado, e o João não fizeram a caminha. Eu fiquei muito feliz em ter feito! A caminhada não demorou as 4 horas, até por que o Lucindo (motorista que nos mostrou sua terra) estava passando na estrada justo na hora que nós saímos do deserto de lava e se tivéssemos ido a pé seria, pelo menos, uma hora de caminhada. O caminho para a floresta é impressionante, um lado da ilha é seco, árido, como um deserto, o outro é verde, úmido a ponto de ter uma floresta. A volta para São Felipe pareceu uma eternidade e chegar no aeroporto e descobrir que o vôo foi adiantado e não avisaram 7 passageiros. Assim foi que conhecemos o hotel Xaquate e descansamos um pouco de excelentes dois dias. Olhando o por do sol e a Ilha Brava (que não está nos nossos planos conhecer por que podemos ficar por lá além da conta, lá só se chega de barco e às vezes o barco pode demorar alguns dias além do previsto para voltar para o Fogo).

Depois de conhecer a ilha tenho certeza de que, se a repórter da revista Viaje Mais foi ao Fogo não saiu São Felipe, não tem como uma pessoa ir até a cratera de um vulcão, passando por uma paisagem surreal e não colocar nenhum foto, nada, e escrever algumas poucas linhas.

Das comidas eu não tirei foto, não deu tempo! Dar conta de comer quente e alimentar o Guilherme não sobrou muito tempo para isso. Confesso que também não lembrei de pedir para outra pessoa tirar. Mas para matar a curiosidade, olhem aqui.

Quanto a confusão, bom ... a história ainda vai render um bocado e o João há de relatar de forma mais engraçada, como também de certo fará com o relato desta viagem lá no pezinho.


4 comentários:

Joaquim disse...

Neda, adoramos las fotos!!! Cuantas plantas conocidas y sorprendentemente creciendo en ese lugar! Qué linda experiencia! Bravo!
Aprovechen lo más que puedan!!!
Besos Mami y Daddy

Helga disse...

Ei, Neda, que LINDAS as fotos!! Mas não me entendi com os slides, acho que não vi todas. (sim sim, as do JM tb são boa.. :P hehehe).

Ei, isso é que é diferença, hein! Entre o lado que pega o ventão (o paredão) e o lado que pega a humidade e a paisagem muda! :)

Ei, o que são aquelas faces na pedra, dumas fotos que vcs tiraram?

Livia disse...

Hummm....gostei das fotos...Lugar diferente, exotico...mas 4 hs de caminhada nao e pra mim, eu certamente teria ficado com a cabra! Rs...

Eulalia disse...

Eu queroooooooooooooo!
Lindas as fotos!
Você poderia escrever uma matéria, sabia?
Se tiver coragem, me avisa!
Agencio! Risos!